ESPECIAL PROESPORTE: Futuro Olímpico de Atletismo
20/07/2021 - 15:56

Tudo começou em 2005 quando o professor Everson José Rosa, conhecido popularmente pelo apelido “Bota”, iniciou a modalidade de atletismo em Colombo, Região Metropolitana de Curitiba. Junto ao departamento de esportes municipal, ministrou escolinhas da modalidade no Parque Municipal de Uva, na sede do município, e treinamento nas pistas das universidades Positivo e Federal do Paraná. 

Foi o bom desempenho dos alunos em competições que garantiu a continuidade do programa. Seis anos depois, o professor e voluntário Sidmar Andrigheto Gielow criou o “Futuro Olímpico de Atletismo”, projeto sócio, educacional e esportivo que visava difundir a modalidade na região rural e próxima de Colombo, em especial nas áreas de vulnerabilidade social do município. Em 2021, o programa completa oficialmente 10 anos e soma, ao todo, mais de 700 colocações em competições estaduais, nacionais e internacionais. 

Essa é uma série especial, que apresenta projetos aprovados e incentivados pelo Programa Estadual de Fomento e Incentivo ao Esporte (Proesporte). Uma realização do Governo do Estado por meio da Superintendência Geral do Esporte.

Há pelo menos oito anos que o Futuro Olímpico de Atletismo atende em média 100 alunos por mês, com faixa etária partindo dos 12 anos. Em tempos de pandemia, a quantidade foi reduzida para 70 alunos e as aulas e treinamentos passaram a ocorrer de maneira remota. Apenas 40 alunos treinam presencialmente (quando os decretos vigentes, do Estado e do Município permitem), pois são atletas em fase de especialização e aprimoramento que exigem mais cuidados na preparação técnica e física.

Campeonato Paranaense de Atletismo Sub 20, disputado em Cascavel, no dia 02/05/2021.
Campeonato Paranaense de Atletismo Sub 20, disputado em Cascavel, no dia 02/05/2021.

 

O projeto foi contemplado em 2019 pelo PROESPORTE e o incentivo auxiliou na compra de materiais que, devido a alta rotatividade de alunos no projeto, costumam desgastar com facilidade. O incentivo, viabilizado pelo programa por meio do patrocínio da Companhia Paranaense de Energia, a Copel, também ajudou na capacitação dos alunos com a confecção de banners e materiais de divulgação. Assim, o projeto foi melhor disseminado nas 30 escolas que fazem parte do Núcleo Regional de Educação de Colombo. 

Além desses fins, o incentivo também foi utilizado na contratação de estagiários de Educação Física. Jhonatan da Silva Fonseca era estagiário pela Prefeitura de Colombo em 2017 e retornou em 2021 como professor contratado pelo PROESPORTE. Ele explica que o caráter de escolha dos alunos sempre permeia o social, pois o objetivo é formar indivíduo e tentar utilizar o esporte como uma ferramenta de mudança de sociedade. “Se vamos formar um atleta de alto rendimento, esse é o sonho que temos dentro de nós. Mas o nosso foco é formar cidadão.”, explica. 

 

Vida de professor

Assim como todo processo educativo, os aprendizados são uma via de mão dupla. Como professor, Jhonatan precisou desenvolver habilidades como a paciência e a sensibilidade para compreender as diversas vulnerabilidades específicas nas quais não cabe ao projeto intervir. Alunos com desequilíbrio alimentar e nutricional, ou que precisam cuidar dos irmãos e complementar renda trabalhando, são alguns dos desafios enfrentados pelo projeto. 

Nesse aspecto, sua fidelização é muito importante. “São os resultados que demonstram para a gente que a atuação da equipe está sendo significativa para a comunidade”, comenta. Por isso, no projeto, os atletas desenvolvem habilidades e competências não somente ligadas ao físico, mas também ao afetivo, social e cognitivo.

Outra particularidade do projeto é que os atletas costumam ficar muitos anos na modalidade Aquele aluno, que antes nem tinha barba e ficava acuado na frente das câmeras, anos depois apresenta-se com uma postura e expressão confiante e madura. “O mais legal de observar no desenvolvimento dos alunos é perceber que ele chegou até nós com uma série de deficits e está saindo como um indivíduo preparado para ter uma família, conquistar um emprego ou fazer a faculdade dos seus sonhos”, finaliza Jhonatan. 

 

Semec Colombo
Torneio da Federação de Atletismo do Paraná, Curitiba, Universidade Positivo, disputada em 31/03/2019.

 

Vida de atleta

No tocante aos atletas, o programa tem alguns nomes dos quais sente muito orgulho. Rosilane Vitoria da Silva, por exemplo, tem 21 anos e entrou no projeto em abril de 2015. Chegou a ganhar o salto com 4m60cm nos jogos escolares de 2016 - fase macrorregional de Curitiba - e ficou em quarto lugar no Brasileiro Sub-18. Hoje não é mais atleta, mas o projeto foi muito importante para a sua formação, razão pela qual voltou em 2021, agora atuando como professora. “O projeto me ajudou muito. Aprendi muitas coisas e digo que abriu minha mente”, conta ela. 

Outro grande atleta que passou pelo programa foi Vitor Gabriel Motin. Em 2017, o atleta bateu seu próprio recorde paranaense, garantindo a medalha de ouro no lançamento de disco na fase final dos Jogos Escolares do Paraná (JEPs), disputado em Apucarana(PR). Junto à seleção brasileira masculina, sagrou-se campeão do Campeonato Mundial Escolar de Atletismo, na França, no mesmo ano. 
 

 


 

Últimas Notícias